16/09/2013 11h55

Utilização de ferramentas de alta tecnologia no monitoramento e gestão florestal

O tema será abordado na Florestal&Biomassa, que será realizada esta semana em Lages (SC)

Por: Painel Florestal - Assessoria
 
Os Veículos Aéreos Não Tripulados (Vant's) também farão parte dos temas das palestras Os Veículos Aéreos Não Tripulados (Vant's) também farão parte dos temas das palestras

Esse tema será apresentado no Simpósio Silvicultura Aplicada e Mercado, dia 20 de setembro, às 10h, no Auditório da Udesc /Cav, em Lages, pelo Engenheiro Florestal Claudio Ramos, consultor da IMA / BlackWood Consultoria Florestal, dando destaque para o uso de Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT´s) para produção de imagens de alta resolução para suporte as atividades de gestão florestal, monitoramento de produção e suporte a due diligence.

“A utilização de VANT´s dentro da legislação permite que as áreas sejam avaliadas e monitoradas (em tempo real, se necessário), evidenciando, através de imagens, a integridade (ou não) das Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal”.

Segundo Claudio, esse veículo pode verificar as áreas realmente plantadas, quantificar e determinar a necessidade da realização de controle de ervas daninhas, desenvolver prescrições para a realização de diversas atividades silviculturais, verificar a qualidade dos mapas físicos, além de auxiliar a gestão de contratos, na realização de levantamentos florestais diversos e também a produzir inventários florestais mais precisos e econômicos.

“Uma outra importante utilização dos VANT´s é na verificação de áreas antes da aquisição (Due Diligence) e comparação das imagens interpretadas com os mapas. A utilização dessa ferramenta pode eliminar ou reduzir ao extremo as surpresas e os problemas muito comuns nessa fase do investimento”.

Claudio ainda salienta que a atividade florestal a todo o momento se vê obrigada a demonstrar que se desenvolve de forma ambientalmente correta e socialmente justa. Essa demanda, porém, colaborou para o aumento dos custos da atividade florestal, que já observa os custos de produção aumentar também.

“Em diversas situações, a produtividade florestal já não remunera adequadamente o capital investido quando da exaustão florestal. Assim, para que o setor avance, precisamos desenvolver rápida e decididamente as atividades de planejamento, controle e gestão dos projetos. Isso só é possível com investimentos em educação/treinamento e tecnologia aplicada às necessidades florestais”

O Engenheiro ainda vê muitas perspectivas para o setor, desde que se quebrem paradigmas. “O setor está em expansão, mas devemos quebrar paradigmas, os setores de colheita/transporte e de industrialização de produtos florestais desenvolveram-se muito nos últimos 15 anos através de pesados investimentos em mecanização, automação e informatização da produção. Penso que a saída seria continuar investindo em pesquisas visando aumentar a produtividade florestal (menor ganho) e investir imediatamente na mecanização, automação e informatização de todas as atividades ligadas a Silvicultura (maior ganho) para melhorar a produtividade, a qualidade das operações e consequentemente reduzir custos operacionais e ainda a importância dos eventos e feiras, para mostrar a tecnologia, experiências em tudo que está sendo aplicado no setor” finaliza Claudio.

A 3ª edição de Florestal&Biomassa - Feira de Máquinas, Equipamentos, Produtos e Serviços, acontece de 18 a 20 de setembro de 2013, no Parque de Exposições Conta Dinheiro, em Lages SC, e é uma realização do Sindimadeira de Lages, da Associação Catarinense de Empresas Florestais e da Associação Rural de Lages, com promoção e organização da Hannover Fairs Sulamérica, empresa do grupo Deutsche Messe AG, promotor da Ligna Hannover.

Envie seu Comentário


 
 

SOBRE O PAINEL FLORESTAL