10/07/2017 18h09

Nova fábrica da Fibria realiza a primeira queima de combustível na caldeira de recuperação

Etapa prepara o equipamento para liberação de vapor contínuo para os últimos testes antes do início das operações, previsto para setembro deste ano

Por: Painel Florestal - Assessoria
 
Fibria realiza primeira queima de combustível em caldeira de recuperação da nova unidade em Três Lagoas Fibria realiza primeira queima de combustível em caldeira de recuperação da nova unidade em Três Lagoas

A Fibria entrou em uma das fases mais importantes do cronograma da construção da sua segunda linha em Três Lagoas (MS), com a finalização das montagens e a execução dos testes dos equipamentos. No último dia 6 de julho, foi executada com sucesso a primeira queima de combustível auxiliar na caldeira de recuperação. Após essa etapa, que promove o aquecimento da caldeira, é realizada a lavagem química para a limpeza das tubulações.

A caldeira de recuperação é parte essencial de uma fábrica de celulose. Sua função é recuperar químicos utilizados no processo de produção e gerar vapor, que é transformado em eletricidade. Sinônimo de competividade e de autossuficiência no setor florestal, energia significa receita para a Fibria. Além de gerar energia suficiente para abastecer toda a sua operação, o excedente energético da companhia é disponibilizado para o sistema elétrico brasileiro.

A caldeira da segunda linha de produção da Fibria em Três Lagoas é uma das mais modernas do mundo, conferindo eficiência e produtividade no processo de produção de celulose. "O êxito na primeira queima de combustível e as fases seguintes garantirão a qualidade da implantação da caldeira de recuperação e, consequentemente, uma performance de excelência em sua operação. Por isso, a Fibria lidera a produção de celulose no mundo com seus diferenciais competitivos, que se iniciam na especificação dos equipamentos mais modernos no mercado e incluem as melhores práticas de construção, montagem e operação", afirma o diretor de engenharia e projetos da Fibria, Júlio Cunha.

Durante a limpeza química, o calor gerado pela queima de combustível auxiliar é responsável por promover a reação entre os compostos químicos para remoção de resíduos de montagem, como graxas, vestígios de solda, entre outros, que devem ser retirados antes do equipamento produzir vapor continuamente.

A geração contínua de vapor permitirá os últimos testes das demais áreas de produção para o início das operações da segunda linha de produção de celulose da Fibria em Três Lagoas (MS), previsto para setembro deste ano.

Envie seu Comentário


 
 

SOBRE O PAINEL FLORESTAL