As 5 Soluções para Mecanização Florestal em Pequenas e Médias Propriedades

Conheça as principais etapas, equipamentos e suas respectivas aplicações

 
Este conteúdo é um oferecimento da RODER MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
 
Garra traçadora Garra traçadora

Se em países como Finlândia e Suécia, a mecanização de operações de colheita florestal de pequenos volumes é algo extremamente comum, no Brasil o assunto ainda pode ser considerado "tabu".

O motivo é simples: no passado, a mecanização era algo acessível somente às grandes empresas em que a conta, custo vs volume colhido, fechava.

Esse cenário mudou. Hoje, mesmo para quem colhe volumes relativamente baixos (por exemplo, de 4.000 a 5.000 metros cúbicos por mês) faz todo sentido mecanizar sua operação.

Outro fator que contribui com a mecanização é a dificuldade, cada vez maior, com mão de obra qualificada. A viabilidade de se mecanizar 100% de uma operação de colheita, no entanto, precisa ser concluída através de um estudo detalhado (nós reunimos três casos reais, como exemplo. Clique aqui para receber esses estudos por email!).


1º DERRUBADA

No sistema semi-mecanizado ainda é muito comum o uso da motoserra. Contudo, o cabeçote multifuncional tem conquistado cada vez mais espaço (confira abaixo).

Esse equipamento, que pode ser acoplado em escavadeiras de pequeno e médio porte, colhe e também faz o traçamento.

Em média, o cabeçote multifuncional apresenta produção de até 200 árvores por hora, deixando-as prontas para arraste ou traçamento.

Outra opção que também pode ser utilizada nessa etapa é o cabeçote Feller Tesoura. Esse equipamento é bastante versátil, tem alto rendimento e pode ser acoplado em tratores com grua, retroescavadeira, escavadeiras e pá carregadeiras (clique aqui para conhecer).


NÓS REUNIMOS TRÊS CASOS REAIS DE MECANIZAÇÃO FLORESTAL EM OPERAÇÕES DE PEQUENO E MÉDIO VOLUME, COM DIMENSIONAMENTO DE DEMANDA. CLIQUE AQUI PARA RECEBER ESSES EXEMPLOS EM SEU EMAIL

2º ARRASTE

Para o arraste, a melhor opção é a utilização do mini skidder, principalmente pelo fato do equipamento ser facilmente acoplado em um trator comum que também pode ser utilizado para outras atividades na propriedade rural (confira vídeo abaixo).

Outros equipamentos de pequeno porte para mecanização do arraste são o autocarregável e a carreta de arraste (clambunk).


NÓS REUNIMOS TRÊS CASOS REAIS DE MECANIZAÇÃO FLORESTAL EM OPERAÇÕES DE PEQUENO E MÉDIO VOLUME, COM DIMENSIONAMENTO DE DEMANDA. CLIQUE AQUI PARA RECEBER ESSES EXEMPLOS EM SEU EMAIL

3º TRAÇAMENTO

Para o traçamento, as três opções mais viáveis para operações de pequeno porte são o cabeçote multifuncional (clique para vê-lo no traçamento) que, neste caso, faria a operação em turnos alternados com a derrubada; a garra traçadora (assista vídeo abaixo), que precisa ser acoplada a uma escavadeira ou à uma grua florestal e a mesa slasher, que é feito sobre uma "mesa de apoio",

A mesa slasher é o sistema mais indicado para o corte de madeiras mais curtas.


NÓS REUNIMOS TRÊS CASOS REAIS DE MECANIZAÇÃO FLORESTAL EM OPERAÇÕES DE PEQUENO E MÉDIO VOLUME, COM DIMENSIONAMENTO DE DEMANDA. CLIQUE AQUI PARA RECEBER ESSES EXEMPLOS EM SEU EMAIL

4º CARREGAMENTO

A mecanização da operação de carregamento de pequenos e médios volumes normalmente é feita com garras florestais adaptadas em escavadeiras hidráulicas ou gruas (veja abaixo).

O rendimento, nesse caso, depende muito das especifidade da operação e da distância de carregamento e descarga.


NÓS REUNIMOS TRÊS CASOS REAIS DE MECANIZAÇÃO FLORESTAL EM OPERAÇÕES DE PEQUENO E MÉDIO VOLUME, COM DIMENSIONAMENTO DE DEMANDA. CLIQUE AQUI PARA RECEBER ESSES EXEMPLOS EM SEU EMAIL

5º DESCARGA

Aqui, novamente, a grua florestal é o aliado do pequeno e médio produtor. Em algumas situações, um carregador frontal acoplado em um pá carregadeira pode ser bastante versátil (assista abaixo).


 
 

SOBRE O PAINEL FLORESTAL