01/12/2017 18h43

São Paulo terá prédio de 13 andares com estrutura de madeira

Primeiro projeto de edifício construído em madeira do Brasil é iniciativa da Amata e tem assinatura do escritório Triptyque

Por: Painel Florestal - Assessoria
 
A construção de prédios de madeira é uma tendência mundial que, agora, chegou ao Brasil A construção de prédios de madeira é uma tendência mundial que, agora, chegou ao Brasil

Conhecida como a capital de concreto e aço, a cidade de São Paulo ganhará em breve um edifício totalmente construído em madeira 100% com garantia de origem e trajetória. A responsável por trazer esta nova tecnologia para o Brasil é a empresa florestal brasileira AMATA. O escritório de arquitetura Triptyque assina o projeto, que será erguido em um terreno de 1.025 m² localizado na Vila Madalena e terá área total de 4.340m². Com 13 pavimentos e um conceito mixed-use, que prevê diversas funcionalidades aos espaços, como coworking, coliving, apartamentos, escritórios, restaurante e uma loja.

"Os edifícios construídos em madeira são soluções eficientes e podem servir de impulso para mudança de consciência da sociedade por serem mais econômicos, rápidos e inteligentes. Construir em madeira legalizada e certificada traz diversos benefícios não só à floresta, mas também à sociedade como a qualificação de mão de obra para a construção em madeira, tempo de construção", explica Dario Guarita Neto, Sócio Fundador e CEO da AMATA. Além destas vantagens, cada 1m³ de madeira é capaz de absorver uma tonelada de CO² do ambiente, o que vem de encontro com a proposta assinada pelo Brasil durante a 21ª Conferência do Clima (COP 21), realizada em dezembro de 2015, em Paris, que promete reduzir em 43% a emissão de gases do efeito estufa até 2030. O ano base é 2005.

A estrutura do edifício é de CLT, espécies de blocos de madeira desenvolvidos pela AMATA. "A cada 18 minutos, as florestas gerenciadas pela Amata crescem o equivalente a um prédio de oito andares. Esse potencial pode ajudar a resolver um problema crônico da indústria da construção, que hoje é responsável pela emissão de quase metade do dióxido de carbono do mundo. Ao substituir fontes não renováveis por matéria-prima natural, ajudamos não apenas a tornar a cadeia da construção mais limpa – mas também a descarbonizar a economia como um todo, uma vez que o plantio de árvores em grande escala captura a emissão de gases causadores do efeito estufa", ressalta Dario.

Envie seu Comentário


 
 

SOBRE O PAINEL FLORESTAL