13/09/2017 18h56

Produtores de cedro australiano se unem, mostram força e criam a Procedro

Associação Brasileira de Produtores de Cedro Australiano foi criada em junho deste ano e está sediada em Campo Belo, no Estado de Minas Gerais

Por: Painel Florestal
 
Ricardo Vilela diante de um plantio de cedro australiano Ricardo Vilela diante de um plantio de cedro australiano

Produtores de madeira nobre, precisamente de cedro australiano, deram um passo importante na organização do setor para enfrentar um mercado ávido por produtos de primeira linha. Em 21 de junho deste ano, foi criada a Procedro – Associação Brasileira de Produtores de Cedro Australiano. Ricardo Vilela, diretor da Bela Vista Florestal, empresa pioneira em pesquisas sobre esta madeira nobre no Brasil, destaca que essa iniciativa vinha sendo demandada há algum tempo e finalmente virou realidade, graças ao esforço de produtores da espécie, entre eles empresas florestais e produtores rurais, interessados em trabalhar de forma conjunta na divulgação da cultura.

Segundo Ricardo Vilela, que está à frente da Procedro, os objetivos comuns são claros, sendo o principal a divulgação e venda da madeira a ser produzida. Para ele, é preciso mostrar para o mercado que os plantios existentes e os vindouros irão em breve suprir uma grande demanda; fornecimento de madeira de alta qualidade, com as características que são mais importantes para os consumidores; origem legal/sustentabilidade, padrão e continuidade de fornecimento. "Na outra ponta, é igualmente importante esclarecer para os produtores quais são esses fatores que fazem diferença para a aceitação da madeira pelo mercado, além de auxiliar ao longo de todo o processo", explica Vilela.

Toras de cedro australiano, oriundo de desbaste, sendo levadas à serraria Toras de cedro australiano, oriundo de desbaste, sendo levadas à serraria

Entre as missões da Procedro, destacam-se a institucionalização do discurso sobre o cedro australiano, conferindo ao assunto mais legitimidade que um produtor ou empresa isolados; apresentar e estreitar o relacionamento entre os diversos atores e agentes da cadeia: produtor/consultor/academia/prestador de serviços/certificador/fornecedor de insumos/consumidor; gerar e difundir conhecimento sobre manejo florestal, processamento da madeira, mapeamento e acesso a mercado; promover e celebrar convênios, eventos e pesquisas; ocupar mais espaço na mídia, divulgando a madeira, a espécie, e até os plantios individuais, com custo baixo por produtor; realizar testes mais complexos com a madeira, totalmente direcionados ao mercado; atingir, com vendas conjuntas, mercados que seriam impossíveis por questões de custo e escala para produtores isolados; criar padrões de classificação e de qualidade da madeira, além de esclarecer sobre mitos e verdades que dificultam a comunicação sobre investimentos em plantios florestais de espécies tropicais de alto valor.

Durante o primeiro ano de existência, a ProCedro ficará sediada no município de Campo Belo, no Estado de Minas Gerais. Após esse período, os associados devem decidir se relocam essa base. "Seguindo a intenção de criar laços entre os diversos agentes dentro da cadeira florestal, estão sendo convidados renomados consultores para se tornarem sócios honorários", informa Vilela. A definição dos valores de mensalidades leva em conta o tamanho da área plantada de cada associado, de forma que o custo não fique pesado para ninguém.

Carga de cedro australiano comercializada Carga de cedro australiano comercializada

Na avaliação de Ricardo Vilela, a realização desse projeto traz ganhos enormes para todos. "E a ProCedro tem tempo para estruturar um bom trabalho. Algumas empresas com grande experiência em divulgação e venda de madeira specialty estão esperando um sinal para trabalhar com a associação. Esperem para breve a execução de ideias inovadoras; campanhas de marketing com depoimentos de quem compra a madeira; testes de madeira padrão IPT voltados para o mercado; participação em feiras setoriais; trabalhos com consultorias, e outros", acrescenta. A primeira ação é a realização de testes completos com madeira de desbaste e madeira de corte raso (15 anos) a ser realizado no Laboratório da USP de São Carlos, um dos melhores do Brasil. A madeira será fornecida pelos associados e a empresa americana Greenwood entra como parceira nesse trabalho.

Para obter informações comerciais e de pesquisa, basta ligar para (35) 3832-1156.

Envie seu Comentário


 
 

SOBRE O PAINEL FLORESTAL