12/08/2013 12h28

Empresa Vida vai triplicar unidade para atender à CMPC em Eldorado do Sul (RS)

A empresa de soluções ambientais ainda vai contratar 60 funcionários para atender à nova demanda

Por:Jornal Do Comércio
 
Na foto:Fernando Bergamin Na foto:Fernando Bergamin

A empresa Vida Produtos e Serviços em Desenvolvimento Ecológico vai triplicar a área útil de sua unidade em Eldorado do Sul, passando dos atuais 17 hectares para 50 hectares. No local, funciona a central de reciclagem, onde são reaproveitados mais de 90% dos resíduos industriais gerados na Celulose Riograndense. São 16 mil toneladas por mês. Agora, com a quadruplicação da produção na planta da CMPC em Guaíba - que vai passar de 450 mil toneladas de celulose/ano para 1,8 milhão de toneladas de celulose/ano -, a quantidade de resíduos também vai aumentar. E por isso a Vida já se prepara para se adequar a essa demanda, informa Fernando Bergamin, gerente operacional da empresa, criada em 1979 pelo ecologista José Lutzenberger. Começou em Bento Gonçalves, onde fazia compostagem de casca de acácia proveniente da indústria de tanino, que era transformada em fertilizante.

Vida vai triplicar II

A central de reciclagem está no atual endereço - Horto Florestal José Lutzenberger, em Eldorado do Sul - desde 2003. Já existe um anteprojeto para a ampliação da unidade, que precisa estar pronta até junho de 2015, quando entra em operação a nova fábrica da Celulose Riograndense. “Teremos quase dois anos para finalizar o projeto, fazer o licenciamento ambiental e a obra para aumentar a área da central de reciclagem”, observa o gerente operacional da Vida, Fernando Bergamin. A empresa de soluções ambientais ainda vai contratar 60 funcionários para atender à nova demanda - o quadro atual, em Eldorado do Sul, é formado por 50 empregados.

Klabin e Aracruz

O projeto de ampliação da produção da Celulose Riograndense em Guaíba é antigo, já estava previsto por outras empresas que controlaram a fábrica: Klabin/Riocell, Aracruz Celulose e Fibria. Tanto que na cerimônia de lançamento da pedra fundamental da nova unidade, nesta quinta-feira, estavam presentes os ex-governadores Germano Rigotto (PMDB, 2003-2006) e Yeda Crusius (PSDB, 2007-2010), que também negociaram o investimento. Mas a decisão de instalar a planta Guaíba 2 foi concretizada somente pela chilena CMPC, dona atual da indústria, já na gestão do governador Tarso Genro (PT).

Infraestrutura

Dirigentes da CMPC elogiaram a parceria com a prefeitura de Guaíba para fazer as obras viárias no entorno da fábrica. O governo do Estado promete fazer a sua parte. O secretário de Infraestrutura, Caleb de Oliveira, destacou investimentos em estradas, como a duplicação da BR--116 Sul. O titular da Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH), Pedro Obelar, planeja entregar em nove meses a sinalização noturna da hidrovia que liga a Capital a Rio Grande, fundamental para a CMPC escoar a produção pelo porto.

Envie seu Comentário


 
 

SOBRE O PAINEL FLORESTAL