24/03/2013

Segundo o presidente da Celulose Riograndense os empresários estão omissos

O executivo que comanda o maior investimento privado no extremo Sul do Brasil cobra uma nova postura do setor privado no debate sobre as ineficiências do país, com menos formalismos e mais mobilização

Painel Florestal - Revista Amanhã
 
 
Há quase 40 anos no setor de papel e celulose, o engenheiro mecânico Walter Lídio Nunes se notabilizou por liderar a construção de fábricas exercitando duas habilidades. Há quase 40 anos no setor de papel e celulose, o engenheiro mecânico Walter Lídio Nunes se notabilizou por liderar a construção de fábricas exercitando duas habilidades.

Há quase 40 anos no setor de papel e celulose, o engenheiro mecânico Walter Lídio Nunes se notabilizou por liderar a construção de fábricas exercitando duas habilidades. Uma delas é a de planejador, requisito natural para a missão. A outra, nem tão usual no meio executivo e particularmente incomum entre engenheiros, é a de articulador.

Apreciador de uma boa conversa, com interesse em literatura e sobretudo na composição psicológica dos personagens de Machado de Assis, Walter Lídio passa boa parte do seu tempo fora de Guaíba, cidade próxima a Porto Alegre onde comanda um investimento de quase R$ 5 bilhões do grupo chileno CMPC na expansão da Celulose Riograndense. E é como um embaixador de indústria que Lídio costura entendimentos com gente de governo, órgãos reguladores, parlamentares – e também com outras empresas que fazem parte da cadeia do setor. Aos 64 anos, Walter Lídio demonstra na entrevista a seguir alguma impaciência com a falta do que chama de “visão sistêmica de competitividade”, e distribui críticas contundentes não apenas a políticas públicas mas também ao próprio empresariado brasileiro e sua propensão a produzir meras pautas de reivindicações.

Pergunta: O que trava, no Brasil, a agenda de reformas?

Resposta: O Brasil não enfrenta o desafio da competitividade de uma forma estruturada. E precisaria, porque este é um tema fragmentado, multifacetado, que exige uma sinergia muito forte de ações e uma liderança forte, uma governança pública muito efetiva, somada a uma participação também muito firme do setor privado. Não temos nada disso, infelizmente. E então o país acaba fazendo opções equivocadas.

P: Por exemplo?

R: Há várias. Uma delas é nossa política de relações exteriores, contaminada por ideologia. Veja, o Paraguai derrubou um presidente dentro da lei e da constituição. O que faz o Brasil? Apoia a manobra para excluir o Paraguai do Mercosul. Quando, no entanto, Chávez rasgou a constituição do seu país, porque lá diz claramente que ele não poderia assumir, o Brasil o apoiou. É a ideologia comandando nossas relações exteriores. Não praticamos uma diplomacia comercial, apenas uma diplomacia política. Então eu pergunto: sob o ponto de vista de uma competitividade sistêmica, em quem o Brasil deve ter interesse: na Venezuela ou nos Estados Unidos? A sociedade brasileira não discute isso. Deixa isso lá com os homens do Itamaraty.

P:O que deveria estar no topo da agenda do país?

R: Há muitas questões que são urgentes. A começar pela carga tributária, que além de imensa é injusta em vários aspectos. No Brasil se paga imposto até para abrir uma empresa. E não é pouco: 10% ou mais, se não houver planejamento tributário. Aqui perto, no Uruguai, é 1%. Quer dizer, o governo é sócio de qualquer coisa que eu faça, e um sócio ingrato, porque quer tomar a parte dele no empreendimento antes que eu ponha o negócio para rodar. Tudo isso para custear uma máquina pública que sustenta coisas como a previdência privada de servidores públicos, mas não devolve o que o país mais precisa, infraestrutura para crescer. Os investimentos em infraestrutura no Brasil são ridículos.

P: O governo, em seu esforço para destravar a economia, substituiu a fórmula de estimular o consumo pelo incentivo a investimentos em infraestrutura. É um bom começo?

R: Não vejo as coisas acontecendo, nesta área, em sintonia com uma visão de competitividade sistêmica. A corrupção e a ineficiência levam os governos a fazer obras fora de prazo e fora de custo, em relação ao que a iniciativa privada consegue fazer. O setor público é incompetente para gastar. Mas no Brasil temos tanta carência em infraestrutura que qualquer coisa que se fizer é bem-vinda. Houve algumas medidas mexendo em portos, desoneração de folha de pagamento... O governo está colocando dinheiro em alguma coisa, mas são medidas do tipo “Melhoral”, que ajudam, mas não são suficientes. Para resolver, o país precisa de reformas, e a primeira delas é a tributária.

O: Qualquer reforma terá de passar pelo Congresso Nacional. Conhecendo a composição das duas casas, há alguma esperança de mudanças mais profundas em temas como a ordem tributária?

R: Aí entramos em uma questão básica. Jabuti, se aparece em árvore, não é porque ele tem essa capacidade, é porque alguém pôs ele lá. Então, vamos discutir por que os jabutis estão lá.

P: A questão da composição do Congresso?

R: É. Como é que esse pessoal chegou lá? São vários fatores que levam a isso aí. Primeiro, um povo despreparado para a cidadania moderna, e com uma facilidade de vender seu voto. Mas quando nós mesmos, da elite, fazemos coisas que beneficiam os maus políticos, estamos descaracterizando a função política. Nós deveríamos estar contribuindo para pensar e discutir este país. Deveríamos nos articular, e botar no jogo as melhores inteligências, aquelas que possam contribuir para o debate. Mas ficamos distantes do jogo político, porque não queremos “nos misturar” com uma atividade que tem um conceito muito ruim. Essa atitude é nefasta para o país. Essa é a grande armadilha que favorece a ineficiência no Brasil: a atividade política se desenvolvendo sem controle social.

P: Mas há segmentos que atuam junto ao Congresso, pressionam. Quem está ausente especificamente?

R: O omisso nesse jogo é o empresário, porque ele tem uma visão de mundo, uma capacidade de transformação, de formular propostas, de levar conhecimento. Não falo isso no sentido de que o setor empresarial deveria impor a sua verdade. Não acredito nisso, em imposição. Eu acredito que o mundo moderno tem de ser construído pela convergência. E o segmento empreendedor não pode estar ausente. Na minha opinião, nós, empresários, entregamos muito pouco em relação à responsabilidade sociopolítica de que nós temos de assumir dentro da sociedade. Se formos olhar o jogo político, quem mais reclama somos nós. Agora, quem mais tem se omitido somos nós.

P: Entidades empresariais costumam levar propostas ao Congresso. O que está faltando para que essa participação dê resultado?

R: Não basta levar um documento, um estudo. É preciso interagir com a governança pública, é preciso se mobilizar e se articular para exercer um controle social efetivo da atividade política. Nós apenas chegamos lá e entregamos uma pauta de reivindicações. E as ONGS vão lá e atingem o Congresso inteiro, algumas vezes com discussões desqualificadas. A relação dos parlamentares é com as bases clientelistas que eles têm. E nós não temos articulação. E se não tivermos, não vamos obter resultado político melhor.

O omisso nesse jogo é o empresário, porque ele tem uma visão de mundo, uma capacidade de transformação, de formular propostas, de levar conhecimento."

P: A dificuldade para negociar reformas no âmbito do Congresso valida a ideia de uma assembleia constituinte com fins exclusivos?

R: Constituinte é outro problema, como se viu. É um grupo de pessoas que se isola. A grande discussão social não é feita. Em 1988, pequenas organizações foram lá e incluíram na constituinte coisas de tudo quanto foi jeito. Quando eu cito para alguém do exterior que turno de 36 horas semanais está na constituição nacional do Brasil, os caras riem de nós. Como é que algo como o turno de 36 horas, que é matéria típica para uma lei ordinária, foi parar na constituição do país? Isso aconteceu porque tinha um grupinho lá dentro. E o setor empresarial estava onde? Dormindo em casa. Olha, antes de uma constituinte precisamos de uma mobilização social. Precisamos ter movimentos sociais qualificados para uma discussão sobre o que temos de mudar no país. Esse artificialismo de fazer uma constituinte não muda o país. Nós já temos o exemplo da última constituição. Sem mobilização social, sem essa articulação, sem construir essa nova representatividade para discutir os temas de interesse nacional, a gente não faz mudanças.

P: A Celulose Riograndense está realizando no sul um investimento de cerca de R$ 5 bilhões e, entre os desafios do empreendimento, está a oferta de mão de obra capacitada. Que dimensão tem este problema no Brasil, atualmente?

R: O Brasil tem bons profissionais, gente com ótima formação. Mas não temos uma oferta massificada de mão de obra especializada. E isso é preocupante. Acho necessário, em primeiro lugar, uma adequação dos currículos. A atualização dos cursos no Brasil é muito lenta, e precisa ser muito mais ágil, tanto no âmbito do ensino técnico como do ensino superior – inclusive na formação de engenheiros, mas não somente neste curso. Falando especificamente sobre curso universitário, o que me preocupa é que, além de haver falta de qualidade, estamos introduzindo no Brasil um sistema de cotas que cria fatores de redução de competitividade. A preparação dada aos universitários já é ruim, como sabemos. E nós ainda facilitamos a entrada de pessoas com notas mais baixas no processo de seleção. Esta é apenas uma das distorções na área do ensino, entre várias outras.

P: Quais?

R: Eu me preocupo com este contexto de rebaixamento do nível de exigência, algo que não se vê em outros países. No meu tempo de estudante de engenharia, havia um sistema voltado para a disciplina e para uma avaliação rigorosa, que trazia consequências para o aluno. Em Cálculo, por exemplo, 30% passavam de cara e 70% tomavam pau porque já naquele tempo a base matemática que traziam do ensino médio não era tão sólida. Hoje, o que acontece? Baixa-se o nível de exigência e o cara passa naquela matéria. Retirou-se da educação um elemento importante, que é a repetência. A repetência é um instrumento de educação para a vida. No meu tempo, quando a gente repetia, sentia vergonha diante da família, dos vizinhos, ficava no quarto, nem saía muito de casa. Isso, lá pelos 10, 11 anos de idade, era uma tremenda lição social. Hoje, essa lição social foi subvertida.

P: Qual é a consequência deste novo quadro?

R: A consequência é que o jovem, na idade das drogas, é jogado na vida com pouca disciplina, com pouco entendimento das consequências do que deixou de fazer, sabendo que pode levar as coisas até o último ano, quando tudo se corrige de algum modo é ele jogado para a frente. Ele chega à universidade com pouca base, com pouca disciplina de estudo... e ali também vai encontrar um sistema que flexibiliza, porque as universidades não querem ficar com a faculdade cheia de gente repetindo o ano... Ou seja, as consequências são minimizadas até o momento em que esse jovem começará a enfrentar a vida. E aí o que é que tem acontecido, historicamente? Nós, lá nas empresas, vamos ter de reciclar esse pessoal. E isso é preocupante.

P: Que peso essa situação tem nas carências de mão de obra das empresas?

R: O problema é significativo e está ligado a esta e a outras situações. Existe uma série de mecanismos de proteção que fazem com que, às vezes, a pessoa não queira entrar no mercado de trabalho formal. Vejamos o caso do programa bolsa família. O bolsa família foi criado sem mecanismo de saída, o que é um erro. Não só o bolsa família. O seguro desemprego também. Só recentemente, o seguro desemprego passou a exigir como contrapartida que o trabalhador passe por alguma formação, reciclagem... Na Finlândia, há muito tempo é assim. Se eu vou para o seguro desemprego, eu não fico em casa. Tenho de ir para um curso de formação, pois já que o Estado está me pagando para não trabalhar, eu tenho de estudar e me preparar com outras competências para que o mercado possa me absorver.

O Brasil tem bons profissionais, gente com ótima formação. Mas não temos uma oferta massificada de mão de obra especializada. E isso é preocupante."

P: O que deve mudar nos critérios do bolsa família?

R: O bolsa família tinha de ser repensada de maneira a adotar um mecanismo de saída. Eu acho esse tipo de programa social perfeitamente justo, quero deixar bem claro. Mas apenas enquanto situação temporária. Afinal, esse tipo de programa dá sobrevivência a uma pessoa, a uma família, mas não estabelece a cidadania moderna que nós queremos. É aí que está a importância de criarmos mecanismos que estimulem a saída. Com isso, o programa seria aprimorado no sentido de levar essas pessoas para a cidadania plena, porque ninguém que vive de assistência pode ser considerado um cidadão na plenitude do termo.

P: A inovação é um tema assíduo no discurso empresarial brasileiro e mesmo no âmbito do governo e das universidades. O país está fazendo avanços reais neste campo?

R: Inovação é a coisa mais mal-entendida do Brasil. Eu falo que o que temos aqui é a mística da inovação. Vejamos o que fez a Finlândia, um país que está no topo da lista da inovação. Eles tinham caminhos tradicionais, como o próprio setor florestal, base da economia. Mas decidiram praticar a transversalidade da inovação. Inovaram no desenvolvimento de equipamentos para o setor, em toda a cadeia. A universidade se envolveu fortemente para apoiar o processo. Inovação é isso, é aplicar na ponta, é buscar resultado. Aqui, a universidade desenvolve teses, teses e teses. E quantas são aplicáveis? Temos de seguir o caminho de países como Suécia e Finlândia, onde as universidades estão consorciadas aos negócios, à economia e onde há centros de desenvolvimento de tecnologia discutindo formas de potencializar a inovação nas cadeias produtivas. No Brasil, com algumas exceções notáveis como a TecnoPUC, predomina uma visão ideológica entre as universidades. Lembro que há uns 15 anos nós tínhamos conseguido estabelecer convênio com 27 universidades no mundo e eu tive de ouvir de um acadêmico no Espírito Santo que a universidade não podia se contaminar com o interesse privado, porque a função dela era desenvolver o conhecimento. Muitas de nossas universidades continuam assim: geram conhecimento pela pureza do conhecimento, sem preocupação com a aplicação prática de suas pesquisas.

P: Explique melhor o que é a transversalidade da inovação.

R: Se eu quero gerar um produto, um processo, e entregar isso à sociedade, eu tenho de mapear o caminho que vou trabalhar. Há tecnologias de foco e há tecnologias transversais que se combinam, e é preciso desenhar todo esse processo – que não é isolacionista, e sim cooperativista, integrador. Agimos assim aqui na empresa para desenvolver uma nova madeira. Integramos todos os elementos da cadeia, o que envolveu universidades de outros países. Algumas coisas, nós desenvolvíamos – o material genético inicial era nosso, por exemplo. Mas outras coisas nós buscávamos, em consórcio com alemães, com chineses... Esta é a diferença: no exterior, a universidade trabalha com cronograma, com planejamento e com compromisso com o resultado. Os caras lá são pragmáticos. Não quer dizer que não possa haver renegociação de prazo, mas há objetivos de prazo. Aqui, como o conhecimento é purista, e o conhecimento purista é algo que não se pode materializar, é intangível, não se valoriza cronograma, ou resultado, e sim o pensamento livre. O Brasil tem todos os ingredientes – ótimas empresas, universidades, financiamento... Mas ainda não temos uma política estruturada de inovação. De novo, aqui, a solução do problema é uma questão de articulação.

P: As leis e a atuação dos órgãos reguladores favorecem o investimento privado no Brasil?

R: O que eu vejo é que o Brasil, diferentemente de países desenvolvidos, baseia-se no direito romano. E o nosso sistema regulatório reflete esta realidade, esta opção por regrar tudo, por criar regras e mais regras todos os dias. Agora, por exemplo, depois dessa tragédia em Santa Maria, nós vamos criar um monte de regras a mais. E assim somos nós. A cada crise, introduzimos mais leis. E todo aperfeiçoamento do sistema regulatório que nós promovemos é sempre por adicionalidade, e não por uma atitude de repensar modelos. O resultado é que as empresas enfrentam, no Brasil, uma burocracia imensa. O Brasil é, absolutamente, um dos piores ambientes do mundo para se fazer negócios, do ponto de vista do sistema regulatório.

P: O que deveria ser revisto no modelo regulatório brasileiro?

R: Em primeiro lugar, reduzir a produção de leis, que é uma coisa imensa no Brasil. Em outros países, não se entende um sistema como o nosso, em que um vereador faz leis. Nesses países, o que há em cidades pequenas é um conselho comunitário que estabelece regras locais. Esse excesso de leis no Brasil torna complexa a fiscalização do comportamento social e a aplicação da norma legal. Em consequência dessa abundância de leis, o sistema brasileiro não consegue punir com presteza. E isso beneficia quem? Quem faz as coisas erradas. Então nós temos todo um sistema regulatório que está ficando impossível de ser cumprido, e de ser fiscalizado. Além do mais, há sobreposição de órgãos reguladores, falta de sintonia entre eles, dúvidas sobre competência legal entre União, Estados e municípios... É um quadro que paralisa os negócios. Por isso o Brasil é apontado internacionalmente como um país altamente burocrático. E tudo é agravado pela politização das instituições de governança pública.

Em outros países, um órgão ambiental não dá posições ideológicas sobre qualquer assunto. Dá posições técnicas. Porque quem está atuando ali é profissional de carreira, e não alguém que ocupa cargo em comissão e que foi nomeado por critérios políticos. É impossível o Estado ser eficiente com cargos de alta importância técnica sendo politizados dessa maneira.

(1) Comentário

Envie seu Comentário!

Restam caracteres. * Obrigatório
Digite as 2 palavras abaixo separadas por um espaço.
 

Parabéns pela entrevista Walter Lídio Nunes. Mas em pleno seculo 21, tapa-se o sol com a peneira, ludibriando o povo com pão e circo na impressão de falso crescimento. Sem falar que voto de cabresto, ignorância popular aliada com a falta de interesse da população em discutir política, resulta em burocracia, excesso de leis e um sistema contaminado.

 
William Rodrigues Martins em 25 de março de 2013 às 22:21

 
 

SOBRE O PAINEL FLORESTAL