17/04/2015 18h21

Redes neurais artificiais - RNA: Ferramenta estratégica no planejamento florestal

As RNA’s são - do ponto de vista prático - um sistema computacional paralelo constituído de várias unidades de processamento simples (neurônios artificiais) conectadas entre si de uma maneira específica para executar uma determinada tarefa

Por: DAP Florestal
 
 

O planejamento do negócio florestal é a diferença entre o sucesso e o fracasso do empreendimento. As atividades contidas neste processo de tomadas de decisões interdependentes devem ser realizadas com muita coerência entre as determinações passadas e presentes, além de uma ou retroalimentação das decisões e os resultados, que visam conduzir a empresa a situações futuras desejadas.

Tendo em vista que o processo produtivo de madeira é de aproximadamente sete anos, tratando-se de carvão, energia, celulose e papel, o planejamento e controle da redução de custos na implantação e manutenção da floresta, através da otimização dos fatores de produção como a mão de obra e os recursos, tornam-se fundamentais, devido ao longo tempo empreendido e a possibilidade de mudanças no senário econômico.

Hélio Garcia Leite: Doutor em Ciência Florestal e professor da Universidade Federal de Viçosa Hélio Garcia Leite: Doutor em Ciência Florestal e professor da Universidade Federal de Viçosa

Para ter sucesso no planejamento florestal, é fundamental que o Manejo da floresta seja feito da melhor maneira possível, tornando-se necessário conhecer, inicialmente, os genótipos a serem plantados e as características do site, solo e clima. Posteriormente, selecionar os tratos culturais, as melhores formas de aplicá-los, as épocas, dentre outras. Sendo que o monitoramento do estoque de madeira em crescimento e a colher são vitais ao processo.

O monitoramento do desenvolvimento da floresta é fator primordial na tomada de decisão no que tange o planejamento florestal, pois é através destas informações que o gestor terá como saber se o processo de produção da madeira, crescimento da floresta está dentro do esperado ou deve tomar alguma medida para corrigir desvios ou mesmo projetar o cenário futuro. Estas informações normalmente se obtêm através da estimação de características das árvores como volume e altura média populacional, levando em consideração a área total do talhão.

Atualmente, muitos são os métodos utilizados para estimação destas informações, dentre estes as técnicas de regressão e as Redes Neurais Artificias (RNA), método tradicional e hodierno, respectivamente.

As RNA’s são - do ponto de vista prático - um sistema computacional paralelo constituído de várias unidades de processamento simples (neurônios artificiais) conectadas entre si de uma maneira específica para executar uma determinada tarefa. Assim, diferentemente das técnicas de regressão, este método hodierno apresenta a possibilidade de aprendizagem e generalização a partir de dados de treinamento, paralelismo massivo que aponta esta técnica como uma alternativa promissora em relação às técnicas de regressão no manejo dos recursos florestais. Permite com facilidade e introdução de inúmeras variáveis do povoamento nas análises, proporcionando melhorias significativas em suas estimativas.

Daniel Herinque Breda Binoti: doutor em Ciência Florestal e diretor de P&D da DAP Engenharia Florestal Daniel Herinque Breda Binoti: doutor em Ciência Florestal e diretor de P&D da DAP Engenharia Florestal

Diversos trabalhos científicos têm sido desenvolvidos visando sua adaptação e parametrização para diversas situações do manejo florestal e mensuração, visualizando maior segurança na tomada de decisão e diminuição do custo operacional através da redução da mão de obra empregada, graças as características supracitadas.

Visando a difusão da tecnologia, o Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa (UFV), em parceria com a pesquisadora Mayra Binoti, hoje professora da UFES, e a empresa DAP Florestal, iniciou, em 2010, o desenvolvimento de uma linha de softwares gratuitos através do projeto NEUROFOREST, que objetiva incorporar tecnologias robustas e inovadoras às tomadas de decisão e busca por soluções de diversos problemas do setor florestal, auxiliando os gestores, acadêmicos e extensionistas na implementação de tecnologias muitas vezes inacessíveis a quem se destinam.

Alex Ferreira de Freitas: mestre em Ciência Florestal, consultor em Novos Negócios da DAP Engenharia Florestal Alex Ferreira de Freitas: mestre em Ciência Florestal, consultor em Novos Negócios da DAP Engenharia Florestal

Atualmente, as Redes Neurais Artificiais, através do Neuroforest e mais 11 aplicativos que compõem a família NEURODAP softwares, já são utilizadas em escala operacional em mais de 500 mil hectares de florestas plantadas, demonstrando reduções significativas dos custos em até 25% para atividade de coleta de dados em parcelas do inventário florestal contínuo utilizando o Sistema Select - outro aplicativo desta família -, além de promover a redução do número de altura medidas nas árvores inventariadas, redução do número de árvores cubadas, dentre outras aplicações. Estas áreas pertencentes a grandes empresas florestais do Brasil como a Celulose Nipo Brasileira – Cenibra, Duratex, Queiroz Galvão e Sinobras, demonstram que as Redes Neurais Artificiais são uma ferramenta estratégica no planejamento florestal do Brasil e do mundo. No segundo semestre de 2014, iniciou-se trabalhos de aplicação da RNA na Eldorado para análises das imagens VANT e, em 2015, a Veracel implementará a metodologia de RNA em diversas atividades da grande área de manejo.

*O artigo foi escrito pelos três profissionais nas fotos. Todos são DAP Engenharia Florestal

Envie seu Comentário

 
 

SOBRE O PAINEL FLORESTAL