11/07/2017 23h30

Colheita e transporte de pinus e eucalyptus – um mercado de quase R$ 7 bilhões ao ano

Paraná, São Paulo e Santa Catarina são os três maiores consumidores de madeira em tora do país, acumulando um volume de 62,9 milhões de m³

Por: Luís Fernando Scheffler*
 
Luís Fernando Scheffler é economista e Coordenador de Projetos da Consufor Luís Fernando Scheffler é economista e Coordenador de Projetos da Consufor

Durante o ano de 2015, o volume consumido de madeira em tora no Brasil foi de 122,3 milhões de m³, abrangendo os gêneros Eucalyptus e Pinus utilizados para fins de processamento mecânico (desconsiderando lenha e carvão vegetal).

Paraná, São Paulo e Santa Catarina são os três maiores consumidores de madeira em tora do país, acumulando um volume de 62,9 milhões de m³ (51% do total). Não menos importante, os Estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul somam 34,2 milhões de m³ de madeira em tora (28% do total). Os demais Estados juntos acumulam uma participação relativa de 21% no total consumido.

Os Estados listados, é bom ressaltar, são os mais importantes em termos de consumo de madeira para fins de processamento mecânico no Brasil, alcançando 79,4% do total de Pinus e Eucalyptus.

A Figura 01 mostra a distribuição do consumo por região do país, onde se observa uma grande concentração nas regiões Sul e Sudeste.

FIGURA 01 – CONSUMO DE MADEIRA EM TORA POR REGIÃO – VOLUME EM MILHÕES DE M³. Fonte: IBGE, Adaptado por CONSUFOR FIGURA 01 – CONSUMO DE MADEIRA EM TORA POR REGIÃO – VOLUME EM MILHÕES DE M³. Fonte: IBGE, Adaptado por CONSUFOR

O valor da madeira consumida na condição em pé, determinado através do produto entre o volume e seus respectivos preços ponderados, atinge um valor global de R$ 5,8 bilhões/ano. Neste montante, o Eucalyptus representa 64% e o Pinus, 36% do total.

No mesmo período, os serviços de colheita e transporte entre a floresta e a indústria, realizados pelo setor florestal movimentaram um montante de cerca de R$ 6,8 bilhões (Figura 02). Esta cifra é decorrente dos custos dos serviços de colheita e transporte florestal e o correspondente ao volume de madeira em tora consumido ao longo de 2016.

Importante observar que os valores combinados dos serviços de colheita e transporte florestal são superiores ao próprio valor total da madeira em pé em 17%.

FIGURA 02 – MONTANTE MOVIMENTADO PELO MERCADO DE COLHEITA E TRANSPORTE (EM R$/ANO). Fonte: CONSUFOR FIGURA 02 – MONTANTE MOVIMENTADO PELO MERCADO DE COLHEITA E TRANSPORTE (EM R$/ANO). Fonte: CONSUFOR

A colheita de todo este volume gerou um valor de R$ 3,6 bilhões (53% do total dos serviços), enquanto o transporte, de R$ 3,2 bilhões (47% do total).

Observa-se uma grande concentração do montante movimentado pelo setor nas regiões Sul e Sudeste, que somam 76% do total. Essas regiões são caracterizadas por já possuírem uma cultura florestal, com grandes polos produtores de madeira e indústrias de todos os portes capazes de absorver quantidades consideráveis dessa matéria-prima.

Outras regiões, como o Nordeste e o Centro-Oeste, vem emergindo no mercado de madeira proveniente de florestas plantadas, nesses casos, com o crescimento das áreas plantadas de Eucalyptus e a instalação de indústrias de grande porte (principalmente do setor de Celulose & Papel).

Com relação a distribuição por Estados, podem ser destacadas as participações do Paraná e São Paulo, que representam 41,4% do mercado de colheita e transporte no país. Em seguida, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul somam 29,4%, confirmando a forte presença das regiões Sul e Sudeste no mercado de serviços florestais (Figura 03).

FIGURA 03 – PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NO MERCADO DE COLHEITA E TRANSPORTE DE MADEIRA. Fonte: CONSUFOR FIGURA 03 – PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NO MERCADO DE COLHEITA E TRANSPORTE DE MADEIRA. Fonte: CONSUFOR

Evidentemente este montante pode ser ainda maior. Vários são os fatores que explicam essa constatação, dentre os quais se destacam:

• O atual nível de consumo das indústrias vem registrando ociosidade – maior no setor de madeira sólida e painéis reconstituídos, e, menor no setor de papel e celulose. Assim, o volume movimentado de madeira possui espaço considerável para crescimento, afetando o mercado de serviços de colheita e transporte. Esse movimento de retomada, quando ocorrer, também impactará nos preços da madeira em pé;

• A lenha para uso no agronegócio e também os volumes de carvão vegetal não foram considerados no montante consumido. É certo que o consumo de lenha e carvão vegetal é considerável, estimado em mais de 70,0 milhões de m³, entretanto, pelas características da colheita e transporte desses produtos – bastante distintas da madeira para processamento mecânico – optou-se por não considerá-los nesta aproximação.

Os custos dos serviços de colheita e transporte são periodicamente levantados, compilados e analisados pela CONSUFOR em diversos polos florestais no Brasil. Os valores considerados nas estimativas derivam dos levantamentos realizados em bases trimestrais.

No entanto, todos estes números podem ser melhor qualificados: estudos elaborados especificamente para regiões de interesse e especialmente, de companhias interessadas em controlar essas etapas do abastecimento industrial podem assegurar o completo conhecimento de seus custos. Outros aspectos determinantes para as empresas são: conhecer as vantagens e desvantagens em terceirizar a etapa de colheita ou de transporte; considerar melhorias dos sistemas de colheita e transporte próprios; identificar a influência e condições da infraestrutura e manutenção nos custos, dentre outros.

*Luís Fernando Scheffler é economista e Coordenador de Projetos da Consufor

Envie seu Comentário


 
 

SOBRE O PAINEL FLORESTAL